Defesa irá argumentar que acidente foi causado por falta de sinalização de torre de energia

A filha do piloto de avião Geraldo Martins de Medeiros Júnior, Vitória Medeiros, pretende processar a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) pelo acidente que levou a queda do bimotor em que estava a cantora de sertanejo Marília Mendonça. Todos que estavam abordo, entre eles Geraldo Martins, morreram.

Os advogados de Vitória Medeiros pretendem argumentar que faltava a devida sinalização nas torres de energia na região do aeroporto em que a aeronave da cantora de sertanejo deveria ter pousado. A Cemig chegou a informar que o avião colidiu com um cabo de energia momentos antes de cair nas proximidades de um riacho. Moradores da região que dizem ter testemunhado o acidente também relataram ter visto a colisão.

— A Cemig diz  a torre estava a um quilômetro de distância da zona de proteção do aeroporto, que é de 4km.  No entanto, como eles criaram um perigo ao colocar aquela estrutura, eles tem responsabilidade — explica o advogado Sérgio Alonso, especialista em Direito aeronaútico.

De acordo com o advogado, a filha do piloto busca defender a honra do pai:

— Ele era um piloto experiente, com 30 anos experiência.

A queda do avião resultou na morte da cantora e de mais quatro pessoas. As demais vítimas do acidente foram seu produtor Henrique Ribeiro, seu tio e assessor Abicieli Silveira Dias Filho, além do piloto e copiloto do avião, Geraldo Martins de Medeiros e Tarciso Pessoa Viana, respectivamente.

Fonte: O Globo