Share

Cruzeiro empata com Athletico-PR e perde chance de se livrar da queda

Resultados da rodada acabam com chance de Libertadores para o Furacão

Cruzeiro e Athletico-PR protagonizam empate eletrizante na 36ª rodada do Brasileirão. Vitor Roque, ex-atacante cruzeirense, marca para o Furacão, anulando as esperanças da Libertadores 2024. Cruzeiro busca pontos decisivos para evitar o rebaixamento. Confira atuações, a “Lei do Ex” e os lances cruciais. Próximos confrontos prometem emoção no desfecho do campeonato.

Teve lei do Ex, teve pênalti perdido, teve gol no fim, só não teve time satisfeito com o resultado final. Cruzeiro e Athletico empataram em 1 a 1, na noite desta quarta-feira no Mineirão, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro. Vitor Roque, ex-atacante do time mineiro, abriu o placar para a equipe rubro-negra. O Cruzeiro desperdiçou várias chances de gol durante a partida e ainda teve um pênalti a favor, que foi defendido pelo goleiro Bento. No fim, Matheus Pereira deixou tudo igual. O resultado acabou com a esperança do Furacão de disputar a Libertadores 2024. O Cruzeiro vai para as últimas rodadas precisando pontuar a fim de assegurar a permanência na Série A.

No calor da torcida

Os torcedores do Cruzeiro expressam sua frustração após o empate, enfatizando a importância crucial de conquistar pontos nas próximas partidas para garantir a permanência na elite do futebol brasileiro. Fernanda, uma torcedora apaixonada, compartilha sua visão sobre a necessidade de pontuar, destacando a ansiedade e a tensão que envolvem o final da temporada.

Como fica?

Com o resultado, o Athletico aparece em 8º lugar, com 53 pontos depois de 36 jogos disputados no Brasileirão. O Cruzeiro surge na 14ª posição, com 45 pontos, quatro a mais que o Bahia, 17º colocado e primeiro time da zona de rebaixamento (clique aqui e entenda o cenário cruzeirense para as últimas rodadas). Cada equipe ainda vai disputar mais duas partidas até o fim da competição.

Desdobramentos na tabela

A análise pós-jogo revela as consequências diretas na classificação das equipes, com o Athletico consolidando sua posição intermediária, enquanto o Cruzeiro se vê cada vez mais próximo da zona de perigo. O Bahia, por sua vez, observa atentamente a situação, buscando oportunidades para escapar da ameaça iminente do rebaixamento.

Lei do Ex

Depois de deixar o Cruzeiro rumo ao Athletico, o atacante Vitor Roque teve o primeiro encontro com o ex-clube no jogo desta quarta-feira.

Reencontro decisivo

A narrativa da “Lei do Ex” ganha destaque no confronto, com Vitor Roque se tornando o protagonista ao abrir o placar para o Athletico. O atacante, agora vestindo as cores rubro-negras, deixa sua marca contra o time que um dia chamou de lar, acrescentando emoção e rivalidade ao duelo.

Atuações da Raposa

Quem se destacou? Quem deixou a desejar? Clique aqui, veja a avaliação do ge e dê as suas notas aos jogadores do Cruzeiro

Performance em análise

Os holofotes se voltam para as atuações individuais dos jogadores do Cruzeiro, com a análise minuciosa realizada pelos especialistas do ge. Quem se destacou com brilho próprio e quem ficou abaixo das expectativas? Os torcedores são convidados a participar, oferecendo suas notas e opiniões sobre o desempenho de seus ídolos em campo.

Primeiro tempo

O jogo começou com domínio do Cruzeiro. Foram dez finalizações dos donos da casa contra duas do Furacão. O momento de maior perigo ocorreu quando Arthur Gomes acertou a trave, aos sete minutos. No rebote, Marlon chutou de fora da área, e o zagueiro Cacá tirou em cima da linha. O Furacão assustou somente aos 39 minutos, em uma falta cobrada por Willian Bigode. Ele teve outra chance aos 44, quando ficou cara a cara com o goleiro Rafael Cabral, mas desperdiçou a oportunidade.

Domínio inicial e oportunidades perdidas

O primeiro tempo foi marcado pelo controle do Cruzeiro, evidenciado pelas estatísticas de finalizações. A trave impediu um gol iminente, enquanto o Furacão teve suas chances, mas a defesa sólida dos mandantes manteve o placar zerado. Willian Bigode protagoniza momentos de tensão, falhando na conclusão diante do goleiro rival.

Segundo tempo

Aos dois minutos, Japa recebeu cruzamento de Marton e finalizou mal. Na sequência, o Cruzeiro voltou a desperdiçar várias chances de gol. Na primeira oportunidade efetiva, o Athletico marcou. Aos 19, em jogada de Fernandinho, Erick ajeitou para Vitor Roque abrir o placar no Mineirão. Aos 27, Matheus Pereira foi derrubado na área do Furacão, e o árbitro marcou pênalti. Bruno Rodrigues cobrou, e Bento defendeu. Dez minutos depois, Matheus Pereira recebeu de Nikão e chutou colocado empatando a partida. Depois disso, a Raposa teve a chance de virar com Robert, William e Lucas Silva, mas ficou no quase. Placar final: 1 x 1.

Viradas perdidas e momentos decisivos

O segundo tempo foi repleto de emoções, com chances desperdiçadas pelo Cruzeiro contrastando com a eficácia do Athletico. O pênalti perdido torna-se o ponto de virada, mas Matheus Pereira resgata a esperança ao empatar. As oportunidades finais da Raposa, no entanto, não são convertidas, deixando a sensação de que a vitória escapou por entre os dedos.

Agenda

O Cruzeiro volta a campo no domingo, às 18h30 (de Brasília), diante do Botafogo, no Nilton Santos. No mesmo dia e horário, o Athletico recebe o Santos, na Ligga Arena, em Curitiba. Os dois jogos são válidos pela penúltima rodada do Brasileirão.

Próximos desafios cruciais

A antecipação dos próximos confrontos destaca a importância crucial das partidas finais para ambos os times. O Cruzeiro enfrenta o Botafogo em um duelo determinante para suas aspirações de permanência, enquanto o Athletico busca consolidar sua posição na tabela contra o Santos. Os torcedores aguardam ansiosos por mais reviravoltas e momentos emocionantes neste desfecho de temporada.

 

Uma pessoa apaixonada por esportes, praias e pela leitura de clássicos literários como "Dom Casmurro", além de obras contemporâneas como "O Código Da Vinci" e explorando questões fascinantes sobre a "Origem da Vida", sempre buscando cativar as pessoas.

Google Search Nitro News Brasil