O Brasil mede forças com o Chile, nesta quinta-feira (2) a partir das 22h (horário de Brasília) no estádio Monumental de Santiago, em partida da 9ª rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2022 (Catar). E, mesmo com desfalques e atuando fora de casa, a seleção brasileira chega como favorita.

O favoritismo da equipe comandada pelo técnico Tite é fruto da ótima campanha da equipe na competição classificatória para a Copa do Mundo. O Brasil tem 100% de aproveitamento, com seis vitórias em seis partidas disputadas, além de contar com o ataque mais positivo, com 16 gols marcados. Também vale lembrar que a seleção brasileira e o Chile já mediram forças este ano, pelas quartas de final da Copa América. E a vitória foi brasileira, por 1 a 0, graças a gol de Lucas Paquetá.

Para esta partida, e as duas próximas pelas Eliminatórias, o técnico Tite não poderá contar com alguns jogadores convocados, nove que não foram liberados por equipes da Inglaterra, além de Malcom e Claudinho, que chegaram a se apresentar e treinar, mas que foram liberados para retornarem ao Zenit São Petesburgo (Rússia), após reiterados pedidos do time russo.

Para lidar com mais este desafio, o comandante da seleção brasileira optou por chamar nomes, experientes e jovens, em uma segunda convocação, como o atacante Hulk (Atlético-MG), o zagueiro Miranda (São Paulo), o meio-campista Gerson (Olympique, da França) e o atacante Vinícius Júnior (Real Madrid, da Espanha).

“O atleta se sente orgulhoso de estar na seleção brasileira. Isso está nas entrelinhas, no comportamento, desde o mais jovem até o mais experiente. Quando a gente vê o Dani [Alves] e o Miranda, a felicidade deles e o comprometimento que eles têm no trabalho, na participação, no dia a dia, no contato e naquilo que está fora das câmeras. A gente vê no atleta jovem o quão de sentimento ele tem de vir para cá. E a nós compete proporcionar que eles façam funções que realizam nos clubes deles, porque isso gera tranquilidade e confiança”, afirmou Tite, em coletiva antes da viagem para o Chile, sobre a alegria de jovens e experientes de defenderem o selecionado nacional.

Na entrevista o treinador não deu dicas de qual seria a equipe titular, mas evidenciou um desafio, encontrar meias criativos: “O que estamos buscando é um processo criativo maior, mais meio-campistas criativos. Nossa construção por vezes é muito vertical. Se a seleção estivesse com uma situação defensiva complicada, seria uma possibilidade. Mas a prioridade é a construção ofensiva”.

O fato é que, independente da formação, o objetivo do Brasil é manter a invencibilidade e a liderança folgada nas Eliminatórias.

Clássico com a Argentina

Após o confronto com o Chile, o Brasil recebe a Argentina, no próximo domingo (5) a partir das 16h, em São Paulo. A seleção brasileira fecha a data Fifa contra o Peru, na próxima quinta-feira (9) a partir das 21h30, na Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata.

Transmissão da Rádio Nacional

A Rádio Nacional transmite Chile e Brasil com a narração de André Luiz Mendes, comentários de Waldir Luiz e plantão de Bruno Mendes. Você acompanha o Show de Bola Nacional, ao vivo, aqui: