Ex-namorado de Djidja Cardoso e Coach Presos em Nova Fase da Investigação Sobre Morte de Empresária

Prisões e Novos Suspeitos

Bruno Roberto, ex-namorado de Djidja Cardoso. — Foto: Rede Amazônica

Em uma nova fase da investigação que apura a morte da empresária Djidja Cardoso, ocorrida no último dia 28 em Manaus, o ex-namorado dela, Bruno Roberto, e o coach Hatus Silveira foram presos nesta sexta-feira (7). A suspeita é de que Djidja tenha sofrido uma overdose de cetamina. Além deles, dois funcionários de uma clínica veterinária, acusada de fornecer a substância à família de Djidja, também foram detidos.

Depoimentos e Contradições

Bruno Roberto foi ouvido pela polícia na segunda-feira (3), enquanto Hatus Silveira prestou depoimento na terça-feira (4). Ambos tinham sido inicialmente chamados como testemunhas, mas novos elementos os colocaram sob suspeita. Além dos dois, outras pessoas próximas à vítima, incluindo a mãe e o irmão de Djidja, estão sendo investigadas.

Uso de Cetamina e Envolvimento em Grupo Religioso

As investigações revelaram que a família Cardoso estava envolvida em um grupo religioso chamado “Pai, Mãe, Vida”, que promovia o uso de cetamina para alcançar uma suposta plenitude espiritual. Bruno, ex-namorado de Djidja, confirmou em depoimento que havia se afastado do grupo após alertas médicos sobre os perigos da droga.

Novas Revelações Sobre o Coach

Hatus Silveira, que se apresentava como personal trainer de Djidja, não possui registro profissional na área, conforme a Associação dos Profissionais de Educação Física e Atividade Motora (Apefam). Em seu depoimento, Hatus revelou que foi vítima de uma aplicação não consensual de cetamina feita pela própria Djidja durante uma visita à casa da família.

Coach Hatus Silveira também foi preso. — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Filmagens e Evidências

A polícia obteve vídeos que mostram Cleusimar Cardoso, mãe de Djidja, filmando membros da família sob efeito de cetamina e registrando as aplicações da droga. Essas gravações, feitas na casa onde Djidja foi encontrada morta, são peças-chave na investigação e reforçam as suspeitas sobre o envolvimento da família no tráfico e uso da substância.

Dinâmica dos Acontecimentos

Segundo o delegado Cícero Túlio, Bruno estava presente na residência de Djidja no dia em que ela morreu e foi ele quem chamou a polícia. Após a morte, Bruno é suspeito de ter abandonado o carro da empresária em uma avenida de Manaus, alegando que o veículo sofreu uma pane mecânica.

Laudo e Causa da Morte

O laudo preliminar do Instituto Médico Legal (IML) indica que Djidja Cardoso sofreu um edema cerebral que comprometeu o funcionamento do coração e da respiração. A principal hipótese é de overdose de cetamina, mas o laudo não especifica o que desencadeou o edema. O resultado final da necrópsia e do exame toxicológico é aguardado para este mês.

Impacto e Desdobramentos

Djidja Cardoso era uma figura destacada no Festival de Parintins, onde atuou como sinhazinha do Boi Garantido por cinco anos. Sua morte abalou a comunidade e trouxe à tona questões sobre o uso de substâncias controladas e os perigos de doutrinas religiosas extremas. A investigação continua e novas prisões não estão descartadas, conforme a polícia avança na elucidação dos fatos.