Share

Cinema Nosso prioriza inserção de mulher negra no mercado de trabalho

A inserção de mulheres negras no mercado de trabalho, em especial no mercado audiovisual, é a meta da Instituição Sociocultural Cinema Nosso, disse nesta segunda-feira (24) à Agência Brasil, a coordenadora de projetos de formação audiovisual da instituição, Gabriela Gonçalves.

O esforço de inserir mulheres no mercado audiovisual está em consonância com o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino Americana e Caribenha, que se celebra em 25 de julho e busca inserir a mulher negra no mercado de trabalho. A instituição Cinema Nosso objetiva reduzir as desigualdades sociais e proporcionar tecnologia e experiências de inclusão em um segmento onde a falta de diversidade é preocupante.

Pesquisa de 2021 do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revela que o desemprego entre as mulheres negras equivale ao dobro do existente entre os homens brancos. Além disso, as mulheres negras recebem os piores salários. No mercado do audiovisual, apenas 20% e 25% das representantes do sexo feminino ocupam cargos de direção e roteiro, respectivamente, de acordo com pesquisa de 2018 do Grupo de Estudos Multidisciplinar da Ação Afirmativa (Gemaa), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), e da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Quando a sondagem busca a participação de mulheres negras e indígenas nesses mesmos cargos, o resultado é ainda pior, atingindo 0%. Significa que se a faixa de mulheres já é pequena, a de mulheres negras então é inexistente.

Lacuna

Gabriela Gonçalves informou que não aparece nenhuma porcentagem de mulheres negras em longas-metragens de grande público, tanto no caso de roteiro, como de direção. “Essa falta de número é um dado muito alarmante porque, na verdade, existem mulheres negras dentro dessas posições no fazer cinema, no Brasil, principalmente em curtas-metragens”, argumentou.

Segundo Gabriela, as pesquisas apontam a falta de acesso de mulheres negras a recursos públicos e a editais para fazer longas-metragens no país. “Isso é muito grave porque a população negra brasileira é uma taxa muito grande, bem como as mulheres negras são uma porcentagem grande no Brasil. Somos a base da constituição da sociedade, no sentido mesmo do trabalho. Aí, quando a gente fala dessa falta de acesso e de recursos para contar as nossas histórias, vemos que o racismo também está aí nesse processo de a gente não ter espaço para ser inserida nesse mercado que move economicamente muito o país”, detalha a coordenadora de Projetos de Formação Audiovisual.

A coordenadora sustenta que a grande questão é quando se vai “racializar” esses acessos e que acaba sendo uma impressão do racismo existente na sociedade brasileira, traduzido em falta de acessos, de recursos, de oportunidades. No caso do audiovisual, essa lacuna vai impactar diretamente na construção da subjetividade da comunidade negra no geral, apontou. “Falta de acesso de profissionais que estudam e se capacitam para isso; falta de acesso nesses lugares de liderança e de criação de narrativas de histórias. Isso vai influenciar nos filmes e em obras de audiovisual como um todo. Não só filmes, mas novelas, séries, desenhos, em que a gente não vai se ver. Dificilmente, a gente se identifica com narrativas que não são contadas por nós. Vai ficar sempre nesse lugar estereotipado. Por isso, é muito importante termos acesso a esses recursos também”.

Formação

Para combater essa realidade, o Cinema Nosso criou o programa “Empoderamento e Tecnologia: Jovens Negras no Audiovisual”, voltado para mulheres negras, trans e indígenas que, desde 2019, formou mais de 100 jovens para o setor. “Desde sempre a gente trabalha com juventudes periféricas e, em 2019, conseguimos startar (começar) a primeira edição desse projeto que nos ajuda a fomentar mais esse espaço de formação para inserção de mulheres negras no mercado”. O programa contempla também pessoas não binárias de todo o Brasil.

“O objetivo é promover essa formação dentro da área do cinema, de jogos e, também de escrita de roteiro para séries, além de colaborar com essa inserção no mercado, promovendo ainda um projeto de vida e de empregabilidade. Vai trabalhar não só o lado profissional, ajudando na construção de currículos e portfólios, mas também as dimensões pessoais e sociais, o que essas mulheres querem como objetivo para suas vidas no ecossistema do audiovisual”.

O programa coloca as alunas em contato direto com profissionais da área em oficinas e seminários, que orientam e analisam os projetos estruturados por elas “Eles dão um fortalecimento muito grande no processo formativo das meninas, entendendo muito desse espelhamento, dessas referências de profissionais que são supertalentosos e capacitados para estarem na área. E elas se verem também no talento desses profissionais é importante e dá um gás para elas continuarem na jornada nessa área”.

O ano de 2023 marca a quinta edição do programa Empoderamento e Tecnologia: Jovens Negras no Audiovisual, que é inteiramente gratuito e oferece a cada ano 150 vagas de roteiro e direção nas áreas de laboratório de roteiro para séries, cinema de ficção, cinema documentário, jogos digitais e jogos mobile (para celulares). Em 2024, a ideia é incluir mais uma formação no segmento de animação, adiantou Gabriela Gonçalves. As inscrições são abertas entre março e abril de cada ano, e o curso tem seis a oito meses de duração.

Dia Internacional

O primeiro Encontro de Mulheres Negras, Latinas e Caribenhas foi realizado em 1991, em Santos Domingos, na República Dominicana. Representantes de 32 nações se reuniram para discutir formas de combate às desigualdades e discriminações sofridas pela mulher negra latina e caribenha em seus respectivos países. Após essa reunião, o dia 25 de julho foi reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. Em 2014, a data foi sancionada no Brasil pela então presidente Dilma Roussef através da Lei 12.987, como parte do calendário oficial nacional.

Uma pessoa apaixonada por esportes, praias e pela leitura de clássicos literários como "Dom Casmurro", além de obras contemporâneas como "O Código Da Vinci" e explorando questões fascinantes sobre a "Origem da Vida", sempre buscando cativar as pessoas.

Google Search Nitro News Brasil