Temporal no RS: sobe para 24 o número de mortos; 14,5 mil pessoas estão fora de casa

Defesa Civil registra 13 mortes, e Corpo de Bombeiros e Brigada Militar (BM) confirmam outros 11 óbitos.

Subiu para 24 o número de vítimas em decorrência dos temporais que atingem o Rio Grande do Sul desde a segunda-feira (29). A Defesa Civil registra 13 mortes, e Corpo de Bombeiros e Brigada Militar (BM) confirmam outros 11 óbitos.

AO VIVO: Acompanhe as informações das chuvas que afetam o Rio Grande do Sul

Vinte e uma pessoas seguem desaparecidas. Ao todo, 147 cidades registraram transtornos, como inundações, quedas de barreiras e deslizamentos de terra. As áreas mais atingidas são as regiões Central, dos Vales, Serra e Metropolitana de Porto Alegre.

Conforme o boletim, 67,8 mil pessoas foram atingidas pelos efeitos do mau tempo. São 14,5 mil moradores fora de casa. São 4.599 em abrigos e 9.993 desalojados (na casa de familiares ou amigos).

Carro é coberto pela enchente na cidade de Encantado, no Rio Grande do Sul — Foto: Diego Vara/Reuters

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) mantém alerta vermelho sobre parte do RS até às 15h desta quinta. A previsão do tempo indica chuvas fortes, com queda de granizo, ventos intensos e descargas elétricas.

Visita do presidente Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) viajou ao Rio Grande do Sul nesta quinta. Lula e a comitiva do governo federal desembarcaram na base aérea de Santa Maria por volta de 10h40.

Lula está reunido com o governador, o prefeito de Santa Maria e outras lideranças locais. O sobrevoo às áreas atingidas foi cancelado devido às condições climáticas.

‘Maior desastre do estado’

O governador do Rio Grande do Sul disse, na quarta-feira (1º), que o temporal “será o maior desastre do estado”. Eduardo Leite (PSDB) comparou a situação com as tragédias de 2023, que mataram dezenas de pessoas, e admitiu a dificuldade de resgatar todas as pessoas afetadas.

“Nós não teremos capacidade de fazer todos os resgates, porque está muito mais disperso nesse evento climático que a gente está vivenciando. E com dificuldades, porque ali as chuvas não cessam. O estado tem tido dificuldades para acessar as localidades”, disse Leite.

Também na quarta-feira, o RS decretou estado de calamidade pública pelos “eventos climáticos de chuvas intensas”. A decisão foi publicada em edição extra do Diário Oficial do Estado.