Pequim ameaça Estados Unidos com represálias e disse ter sobrevoado a ilha com aviões de guerra. Itinerário do voo não havia sido confirmado até o pouso. Viagem reflete confronto histórico de Pelosi com governo chinês.

Em uma visita não divulgada e sob ameaças da China, um avião da Força Aérea dos Estados Unidos transportando a presidente da Câmara dos Representantes do país, Nancy Pelosi, chegou na manhã desta terça-feira (2) a Taiwan.

Pelosi chegou a Taiwan por volta das 22h30 no horário local (11h30 de Brasília). Na manhã de quarta-feira (3), ela se reunirá com o governo da ilha e visitará o Parlamento local.

O governo chinês disse que seus aviões de guerra sobrevoaram a linha que divide o Estreito de Taiwan (veja mais abaixo).

Os chineses também afirmaram que monitoraram o trajeto do voo de Pelosi, que saiu da Malásia.

“A visita de nossa delegação do Congresso a Taiwan honra o compromisso independente dos EUA em apoiar a democracia vibrante de Taiwan”, disse Pelosi após pousar na ilha. “Nossa solidariedade com os 23 milhões de moradores de Taiwan é mais importante do que nunca, em um momento no qual o mundo encara uma escolha entre a autocracia e a democracia”.

Com a visita, Pelosi se tornou a primeira representante do alto escalão do governo norte-americano a visitar Taiwan desde 1997, quando Newt Gingrich foi à ilha.

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, desembarcou nesta terça (2) em Taiwan — Foto:  Taiwan Ministry of Foreign Affairs via AP

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, desembarcou nesta terça (2) em Taiwan — Foto: Taiwan Ministry of Foreign Affairs via AP

Desde a semana passada, o governo chinês vem fazendo ameaças aos EUA caso a presidente da Câmara fosse à Taiwan, que Pequim considera parte de seu território. Para os chineses, a visita é uma provocação.

Reação chinesa

Em resposta à visita, o Ministério da Defesa chinês disse que colocou suas Forças Armadas em alerta e que lançará “operações militares com alvos específicos“. De acordo com a agência de notícias Reuters, essas operações serão exercícios que incluirão viagens aéreas e marítimas conjuntas no norte, sudoeste e sudeste de Taiwan, disparos reais de longo alcance no Estreito de Taiwan e lançamentos de mísseis no mar a leste de Taiwan, disse o comando.

Em comunicado após a visita, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China disse que a vista de Pelosi é “uma violação severa do princípio de Uma Só China, infringe severamente a soberania e a integridade territorial da China, prejudica severamente a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan, e emite um sinal severamente errado às forças secessionistas da ‘independência de Taiwan'”.

A pasta afirmou ainda que a visita terá um “impacto severo na base política das relações China-EUA.

A agência de notícias estatal Xinhua disse na terça-feira que os militares chineses realizarão exercícios de tiro real e outros exercícios em torno de Taiwan de 4 a 7 de agosto.

Voo de aviões de guerra

Os chineses afirmaram que seus aviões militares sobrevoaram o Estreito de Taiwan. Inicialmente, o Ministério de Defesa de Taiwan negou que isso tivesse acontecido, mas em um segundo momento a pasta afirmou que 21 aeronaves militares chinesas entraram em seu espaço aéreo.

Reprodução do site Flight Radar 24 mostra itinerário de avião do governo dos Estados Unidos, circulando o mar da China e indo na direção de Taiwan, em 2 de agosto de 2022. — Foto: Reprodução

Dúvida sobre voo de Pelosi

Reprodução do site Flight Radar 24 mostra itinerário de avião do governo dos Estados Unidos, circulando o mar da China e indo na direção de Taiwan, em 2 de agosto de 2022. — Foto: Reprodução

O avião do governo norte-americano saiu da Malásia, a primeira parada de Pelosi em uma viagem à Ásia nesta semana. O voo, no entanto, não apresentava destino final. Ao se aproximar de Taiwan, o site Flight Radar atualizou que o local de pouso da aeronave é o aeroporto de Taipei.

O site também mostrou um roteiro do voo incomum para o trajeto entre a origem e o destino. A aeronave fez uma grande curva contornando o mar da China.

Até o avião pousar, o governo dos Estados Unidos não havia se pronunciado sobre se Pelosi iria a Taiwan.

Pelosi x Pequim

Presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, fala durante uma coletiva de imprensa no Capitólio em Washington nesta quinta-feira, 27 de agosto de 2020 — Foto: J. Scott Applewhite/AP

Presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, fala durante uma coletiva de imprensa no Capitólio em Washington nesta quinta-feira, 27 de agosto de 2020 — Foto: J. Scott Applewhite/AP

A visita da presidente da Câmara dos EUA reflete o histórico de Nancy Pelosi de confronto com a China. Há 30 anos, Pelosi apareceu de surpresa na Praça da Paz Celestial com cartazes em homenagem aos dissidentes do governo chinês mortos no protesto que marcou o local em 1989.

Desde então, ela tem sido uma crítica do governo chinês, principalmente com temas relacionados aos direitos humanos.

Presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, desce do avião em Taiwan — Foto: AP

Presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, desce do avião em Taiwan — Foto: AP