Medida visa combater fraudes na cidade. Cartões sem identificação serão cancelados, e crédito será transferido para bilhete personalizado vinculado.

Passageira usa seu bilhete único em ônibus de São Paulo — Foto: Uriel Punk/Futura Press/Estadão Conteúdo

Os Bilhetes Únicos anônimos, aqueles que não possuem identificação do usuário como nome ou número de documento, deixaram de funcionar nos transporte coletivos de São Paulo nesta quarta-feira (1º).

Os usuários com cartões que tenham número de identificação iniciado por 59, 71 ou 110 precisam fazer um cadastro na SPTrans, em qualquer guichê de atendimento ou pelo site da empresa, associando seu CPF ao bilhete sem identificação.

Até a semana passada, 120 mil cartões sem nome do usuário ainda estavam sendo usados. A partir desta quarta, esses passageiros já estão sendo barrados nas catracas dos ônibus, do Metrô ou da CPTM. A prefeitura estima que cerca de 2,6 milhões de pessoas possam ser afetadas pela mudança.

Segundo a SPTrans, empresa responsável pelo transporte coletivo na capital, o objetivo da medida é evitar fraudes e combater a venda ilegal de passagens, na qual são usados bilhetes anônimos.

No caso das pessoas que associarem o CPF com os cartões anônimos, a transferência do valor existente ocorrerá de forma automática, assim que o novo bilhete for emitido. Quem não realizar o cadastro, poderá solicitar a restituição do crédito quando fizer o cancelamento do cartão antigo.

Para emitir um novo Bilhete Único, o usuário precisa fornecer os dados requisitados no site da SPTrans ou em um dos 34 postos físicos da empresa.

Filas nos postos da SPTrans

Nesta quarta, usuários do transporte público em São Paulo foram barrados na catraca ao tentar embarcar com os bilhetes antigos, sem vinculação com nome e CPF.

O atendente de mercado Johnnie Primao Kasama tentou pegar o metrô na estação de sempre, com o Bilhete Único de sempre, mas não conseguiu embarcar.

“Eu fui passar com o meu bilhete que eu passo todo dia, o antigo, e na hora que eu passei na catraca apareceu a tarja ‘cartão bloqueado’. Aí eu tive que vir aqui pra fazer o novo bilhete”, disse ele, em um posto da SPTrans.

Durante a tarde desta quarta, uma longa fila se formou no posto da SPTrans que fica no Terminal Bandeira, no Centro. Jefferson Cordeiro, funcionário de expedição, foi retirar o cartão para um amigo que já tinha feito o cadastro.

“Fiquei na fila uns dez minutos e, pra atender, uns 30 minutos porque ficou sem sistema”, disse Jefferson.

Fonte: G1