Suspeita de matar namorado não gostou de saber que empresário tinha desistido de casamento; diz delegado

Delegado revela motivação econômica e detalhes do crime que chocou o Rio de Janeiro

De acordo com as autoridades responsáveis pela investigação do caso, Júlia Cathermol, suspeita de assassinar o empresário Luiz Marcelo Ormond, aparentemente foi motivada pelo fim do relacionamento e a desistência do empresário em formalizar a união estável com ela.

O delegado Marcos Buss, da 25ª DP (Engenho Novo), afirmou em uma coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (30), que a suspeita teve motivação econômica para cometer o crime. Segundo ele, Júlia não reagiu bem à notícia de que o namorado não queria mais formalizar a união estável, o que teria precipitado o desfecho trágico.

“É um caso extremamente chocante que revela uma frieza incomum. A suspeita demonstrou uma postura calculada e insensível diante da situação”, comentou o delegado, enfatizando a gravidade do ocorrido.

Luiz Marcelo Ormond foi encontrado sem vida dentro de seu apartamento no Engenho Novo, na Zona Norte do Rio de Janeiro, no último dia 20 de maio. A principal suspeita é que ele tenha sido envenenado por Júlia, que teria utilizado um brigadeirão como meio para cometer o crime.

As investigações conduzidas até o momento sugerem que Júlia agiu com extrema frieza após o homicídio. Segundo relatos do delegado Buss, ela permaneceu dentro do apartamento junto ao corpo de Luiz Marcelo por vários dias, inclusive dormindo e se alimentando ao lado do cadáver.

Além disso, a polícia suspeita da participação de outra pessoa no crime. Suyany Breschak, que se apresenta como cigana, está sendo investigada por possível envolvimento no planejamento da morte de Luiz Marcelo. De acordo com depoimentos e evidências obtidas, ela teria prestado serviços espirituais para Júlia e mantinha uma relação financeira com a suspeita.

O advogado de Suyane, Cleison Rocha, defende a inocência de sua cliente, alegando que ela mantinha apenas uma relação profissional com Júlia e não tinha conhecimento das intenções criminosas da mesma.

Diante da gravidade do caso, o Disque Denúncia divulgou um cartaz nesta quarta-feira (29) para auxiliar nas investigações e na localização de Júlia Andrade Cathermol Pimenta, que atualmente encontra-se foragida da justiça.

O desfecho trágico desse caso choca não apenas pela brutalidade do crime, mas também pela complexidade das relações e motivações envolvidas. Enquanto as autoridades seguem em busca da verdade e da justiça, familiares e amigos lamentam a perda de Luiz Marcelo Ormond, descrito como uma pessoa querida e admirada por todos que o conheciam.