Começa a ser ofertado o 5G Standalone ou SA, que deverá viabilizar avanços na indústria, telemedicina, carros autônomos, etc. Mas quem vai predominar por enquanto é outro tipo de 5G, que traz mais rapidez à navegação, mas não revoluciona. Tire dúvidas.

Antenas da faixa principal do 5G serão ativadas nesta quinta-feira (4) em São Paulo, maior mercado de smartphones do Brasil e a quinta capital a receber a tecnologia no país.

Qual é a novidade e em que pé está o 5G

Ativada nesta quinta, a faixa 3,5 GHz é considerada a principal “avenida” para circulação dos dados na nova geração da internet móvel porque comporta o 5G mais “puro”, chamado “standalone” (autossuficiente, em inglês) ou SA.

É ele que carrega a fama dessa quinta geração da internet móvel, de permitir avanços de tecnologias como a realidade virtual, carros que dirigem sozinhos, cirurgias remotas, além da possibilidade de ligar muitos objetos à internet ao mesmo tempo, de forma massiva e constante.

Mas isso tudo ainda está longe de acontecer, entenda por quê:

  • de início, a cobertura 5G não será total nas cidades onde ela for ativada: em São Paulo, por exemplo ela será de 25% da área urbana, na previsão do Grupo de Acompanhamento da Implantação das Soluções para os Problemas de Interferência na faixa (Gaispi). A capital paulista tem 1.378 antenas de 5G instaladas até agora contra 4.592 de 4G;
  • a conexão “standalone”/SA ainda será secundária no Brasil e lá fora por algum tempo. De acordo com dados da GSMA, que representa operadoras móveis em todo o mundo, 70 países ofereciam internet 5G em janeiro deste ano, mas apenas 16 tinham o tipo SA.

 

Quem predomina no mundo ainda é o 5G NSA. Ou “non-standalone”. Ele atende a quem espera ganhar mais velocidade na navegação, mas ainda não promove a revolução esperada.

 

Já tinha aparecido 5G para você?

É o 5G NSA que vem aparecendo na tela de celulares em alguns pontos no Brasil nos últimos meses (veja os tipos de internet 5G).

Com a ativação da faixa 3,5 GHz, o NSA deverá ampliar sua cobertura porque também poderá usar essa “avenida”: até então, ele estava disponível em alguns pontos de cidades, como São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, em outra faixa, a de 2,3 GHz, que é mais “estreita”.

Standalone ou não, o 5G ainda está em seus primeiros momentos. Além de ter cobertura parcial, exige celulares compatíveis e, segundo algumas operadoras, até troca de chip. E o prazo para a conexão estar disponível em todos os municípios brasileiros com mais 30 mil habitantes é só em 2029.

Veja abaixo, em 3 perguntas, no que a chegada do 5G muda sua vida agora (ou não):