Share

Conheça o Primeiro Reator Nuclear de Geração Infinita de Energia: A Revolução da Fusão Solar

A imagem mostra uma representação concetual do Reator Termonuclear Experimental Internacional (ITER), cujo objetivo é demonstrar a viabilidade industrial da energia de fusão nuclear. – Direitos de autor ITER

No coração da Provença, desvendamos os bastidores do maior dispositivo de fusão nuclear do mundo, que visa aproveitar a mesma reação nuclear que alimenta o Sol e as estrelas. Laban Coblentz, diretor de comunicação do ITER, confidencia a grandiosidade da empreitada, revelando a construção da máquina mais complexa já concebida.

A fusão nuclear, processo no qual dois núcleos atômicos leves se fundem, é a essência do ITER. O Reator Termonuclear Experimental Internacional, assinado por mais de 30 países em 2006, busca demonstrar a viabilidade da fusão em escala industrial. No epicentro desse esforço global, o tokamak, maior câmara de confinamento magnético do mundo, toma forma para gerar energia líquida.



Desvendando o Intrincado Ballet Nuclear

A fusão nuclear, um balé intricado de partículas carregadas, ocorre quando átomos leves se unem, liberando uma torrente de energia. O ITER opta pelo método de confinamento magnético, aquecendo deutério e trítio a 150 milhões de graus dentro de um tokamak colossal. O desafio reside em controlar as partículas por meio de um campo magnético e converter a energia liberada em eletricidade.

As vantagens da fusão sobre a fissão nuclear se destacam. Enquanto reatores de fissão geram energia a partir da divisão de átomos, os reatores de fusão utilizam quantidades ínfimas de produtos químicos, reduzindo significativamente os riscos associados. Richard Pitts, chefe da divisão científica do ITER, destaca a incomparabilidade dos efeitos de segurança.

Desafios e Contratempos no Caminho da Fusão

Construir reatores nucleares permanece um desafio monumental. Elevar algo a 150 milhões de graus é uma tarefa árdua, e contratempos no ITER resultaram em atrasos e aumento no orçamento, passando de cinco bilhões para mais de 20 bilhões de euros. Desalinhamentos nas soldaduras da câmara de vácuo, fabricada na Coreia do Sul, representaram um contratempo significativo.

O calendário original, com o primeiro plasma previsto para 2025 e operação total em 2035, sofreu ajustes devido a componentes e atrasos relacionados à COVID-19. O ITER está em um processo de reequacionamento, buscando se aproximar do ambicioso objetivo de operação completa em 2035.

Colaboração Internacional: A Resiliência da Fusão Nuclear

Em meio a tensões geopolíticas, o ITER se destaca como um modelo de colaboração internacional. A fusão nuclear, um sonho compartilhado por várias gerações, une nações em busca de uma fonte de energia mais segura. Mesmo diante de sanções, o projeto persevera, demonstrando o compromisso global com uma energia sustentável.

Fusão Nuclear e as Alterações Climáticas

Com as alterações climáticas em foco, a busca por fontes de energia limpa ganha urgência. Embora a fusão nuclear seja uma resposta de longo prazo, o ITER destaca seu potencial papel em futuros desafios energéticos. Coblentz pondera sobre a possível necessidade da fusão em cenários extremos, como o aumento do nível do mar, reforçando a importância de acelerar o desenvolvimento dessa tecnologia.

Rumo a um Futuro Sustentável

O ITER surge como uma esperança no cenário global de energia. Apesar dos desafios, a busca pela fusão nuclear permanece como uma promessa para um futuro sustentável. À medida que o ITER avança, a humanidade se aproxima de desvendar o potencial da fusão, oferecendo uma alternativa segura e limpa para atender às crescentes demandas de energia.

Uma pessoa apaixonada por esportes, praias e pela leitura de clássicos literários como "Dom Casmurro", além de obras contemporâneas como "O Código Da Vinci" e explorando questões fascinantes sobre a "Origem da Vida", sempre buscando cativar as pessoas.

Google Search Nitro News Brasil